domingo, 9 de outubro de 2011

Desapegando

Inspirada na conversa com a terapeuta, na terça passada, resolvi que esse seria o final de semana do desapego. A ideia era começar no sábado, mas cheguei sexta tão pilhada, tão empolgada, que comecei a desabar o guarda-roupas ainda "montada nos saltos".

Algumas horas depois, o saldo foram 2 sacolas enormes, e 1 bolsa de viagens, cheias de roupas que não uso há tempos; e que não passaram na reavaliação de permanência. Outra sacolinha ficou com as sandálias que precisam de algum reparo, coisa pouca, mas que também não vão retornar ao já abarrotado local a elas destinado.

Dormi exausta, mas ontem (sábado) foi a hora de organizar e arquivar papéis. Tudo bem, preciso de outro método de arquivamento de contas pagas, já que a minha pasta AZ não aguenta mais ver papel. Enfim, consegui reunir em pastas coisas como atestados médicos e receitas, cartelas de adesivos, e mais uma centena de coisas que precisam se manter por aqui, ao menos nesse "filtro".


E lá se foram catálogos de lojas - não me lembrava de guardar tantos, afff - para dar lugar a livros que valem a pena, e que estavam abandonadinhos pelas estantes. A mesa do quarto ficou um primor. Desocupando caixas, organizei mais coisas, e com isso os controles-remoto ganharam uma case fofa, e um cantinho sobre a mesa. 

Antes que alguém aí pergunte, antecipo-me: não, eu continuo não mais cabendo aqui. A reorganização abre espaço, sim, é óbvio. Mas o sentimento permanece aquele, da Alice com braços, pernas e cabeça saindo pelas portas e janelas da casa. Entretanto, até segunda ordem, o meu lugar continua sendo esse aqui, e cabe a mim fazer dele algo habitável e menos entupido de coisas, rs.