quarta-feira, 27 de abril de 2011

Eu não sou normal, rsrs

Vez por outra, uma vontade me assola: não fazer nada. Sim, não ter hora para acordar, poder tomar café tranquilamente, pensando na atividade que pretenderia - ou não - fazer... quem sabe uma academia matinal, sem o atropelo comum aos horários entre 5h30/7h ou após as 18h. Depois, quem sabe, as sessões de massagens, ou cabelereiro, ou manicure. Ou nada.

Antes que você que me lê diga "ok, e quem não queria uma vida assim?", eu friso: geralmente tais intenções me povoam os pensamentos após uma noite mal dormida, como é o caso. Ontem, 2h da manhã, eu estava fazendo check-out no hotel, para embarcar no vôo de volta a Fortaleza, costumeiramente atrasado. Cheguei em casa com o sol raiando, e posso afirmar que não dormi. (bem, não no horário que se costuma destinar ao repouso - à noite - mas procurei obter uns "créditos" de sono à tarde, e entre 22h e 2h de ontem/hoje).

A frequência de viagens a Juazeiro do Norte tem sido fora do comum; mas não posso reclamar, afinal, os honorários advindos das audiências em Araripina auxiliam sobremaneira a aplacar os gastos no cartão de crédito. Shame on me, continuo gastando mais do que deveria, e obviamente, menos do que gostaria.

Well, eu não sou normal. Gosto de trabalhar, sim, mas tenho recaídas, uma espécie de banzo da época em que estava desempregada. Claro, o primeiro parágrafo desse post faria imenso sentido se houvesse alguém para custear meu nadismo. Como não há... fazer o que? Trabalhar, ora bolas!