terça-feira, 28 de setembro de 2010

Mudar não é fácil...

... mas é necessário!

Hoje foi um dia atípico, diante de uma rotina que pouco tem-se alterado nos últimos 2 meses. Resolvi, enfim, levantar da cama quando o celular tocou pela segunda vez. Isso sem falar no telefone fixo, que certamente sabia que eu intencionava dormir um pouco mais.

O fato é que a ligação que de fato me fez pular da cama foi da Fernanda, uma amiga de séculos, (rsrsrs,a gente não divulga, por questão de princípios, rsrsrs) sobre duas audiências e outra coisa (não vou dizer ainda, porque não é certeza).

À tarde, fui até a casa dela. Enfim, depois de muito tempo meeeeeeesmo, colocamos a conversa em dia. Fora os processos em questão, o assunto foi casamento. Um parêntese: ela casa em janeiro, e está em polvorosa às voltas com os preparativos.

Folheamos revistas, discutimos possibilidades, fiquei de ajudar com a escolha dos brincos. Bom, quando o assunto é maquiagem, bijus e jóias, além de roupas, sapatos e bolsas, claaaaaaaaaaaro que eu a-d-o-r-o me colocar à disposição. Eu a-m-o pesquisar sobre isso, dar dicas, buscar soluções.

***Voltando ao título do post***

Há algum tempo, venho relutando com conceitos arraigados, difíceis de modificar. Isso vale para os "pré-conceitos", os julgamentos, a dieta e os exercícios. Claro, muitas outras coisas, mas esses 4 tem requerido atenção especial. Sobre os 2 primeiros, uma frase da música "Amor pra recomeçar" resume o que tenho tentado aplicar diuturnamente: "...e com os que erram feio e bastante, que você consiga ser tolerante"

Imagem daqui
Já os outros dois, vocês bem sabem, tem sido motivo de desgosto. Mas, não sei porque cargas d'agua, resolvi fazer alguma coisa. Duas atitudes simples, mas que são as sementinhas das árvores que pretendo ver frondosas. Estou reinserindo salada no cardápio, incluí sucos incrementados à noite, e finalmente calcei os tênis e fui caminhar.

Ok, vocês vão perguntar sobre o pé... eu respondo: decidi que não vou mais usar o imobilizador, e que a "fisioterapia" vai ser caminhada, e gelo (se necessário). 

Todo dia a gente lê sobre os benefícios dos exercícios físicos. Mas sabem de uma coisa? Não ligo a mínima! Não estou fazendo isso para (somente) emagrecer, nem porque meu coração vai agradecer no futuro. Vou e quero continuar indo porque não posso me entregar tão fácil, desistir sem nem tentar. O namorado implora, mas não vou por causa dele, nem porque ele pediu trocentas vezes. 

Mudarei sim, por mim. Percebi que esse papel de vítima não me cai bem. Fica tipo uma saia balonê com top colado: ridículo! (rsrsrs) Quem veste as roupas sou eu, os cabelos e a pele são meus, os benefícios serão igualmente meus. O suor derramado será revertido, única e exclusivamente, para mim mesma. Isso basta, e justifica a mudança.

Já passou da hora de arrumar desculpas, de buscar motivos nos outros... agora é por mim, para mim. 

P.S.:Torçam aí, e incentivem, rsrsrs, afinal eu ainda tenho defeitos como a vaidade, rsrsrs. ;)