sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

De "casa" nova

Ontem à tarde a "oficiala de justiça" (leia-se: dona da empresa) deu o ultimato. O resultado? Gente feito formiga, carregando mesas, computadores, everything else, alterando a logística do piso inferior da empresa. Aliás, mentira, porque uma galera desceu, e outra subiu. Era um tal de desmonta aqui, remonta acolá, desparafusa, remove divisória, rsrsrs. 

Quem me conhece sabe que não sou dada ao simples fato de observar: peguei chave-de-fenda, descalcei os pés, joelhos ao chão, e vamos desparafusar e reparafusar. A despeito da quantidade de homens na empresa, penso que ao passo que lhes abunda força física, escasseia inteligência prática. Discutiam os meios de remover uma estante... fui lá, empurrei, alinhei, para surpresa dos espectadores e da dona da empresa, que riu alto e comentou o girl power

Enfim, saímos ontem com a estrutura física nos devidos lugares, mas os acessórios, processos, rsrsrsrs, apenas repousando sobre as mesas. Organização que é bom, só hoje de manhã. Enquanto a maioria esperava (reclamando) que o assistente religasse os computadores, refizesse as instalações de internet, a pessoa que vos escreve providenciou o necessário para trabalhar: religou tudo, organizou os processos, as estantes, e enquanto não havia internet local, o notebook "quebrou o galho", já que a conexão sem fio está funcionando normalmente.

Enquanto escrevo esse post, vejo as pessoas tentando aparentar aborrecimento. Entretanto, percebo que internamente, rezam para que o coitado do único assistente de informática se-vire-nos-trinta e religue tudo, reestabeleça a internet, mas só umas 11h, com pausa para o almoço às 12h... O cafezinho, as conversinhas paralelas, tudo isso sim está funcionando plenamente, rsrsrs.

Mudar é complicado, desconfortável, gera um caos enorme. Mas no fim das contas, foi melhor assim. Até agora, não tenho do que reclamar do meu novo cantinho. Por enquanto...