sábado, 21 de agosto de 2010

Fita métrica

Descobri uma nova mania: fita métrica. 

Esse negócio de fazer drenagem dá uma ansiedade gigantesca em ver a fita métrica apertando e diminuindo os numerozinhos, rsrsrs. Natália, minha amiga recém-casada, comentou um post dizendo que engordou 5kg. No início do namoro, eu engordei 8kg, e eles me acompanham até hoje, 2 anos depois. É essencialmente deles que quero me ver livre.

[Podem rir, mas estou assistindo ao Jamie Oliver cozinhando alho-poró (que eu amo!), e escrevendo este post. Contrassenso.]

Imagem daqui
O jantar de ontem foi sopinha, rs. Aliás, tenho evitado grandes escorregadas a partir das 18h. Logo eeeeeeeu, que amo comer e comer e comer à noite. Eu sei que só tive até agora 4 sessões de tortura, mas já noto uma sutil diferença no aspecto da pele, e a tal fita-métrica acusa umas singelas mudanças. 

Psicologicamente falando, milímetros ou centrímetros a menos fazem uma diferença brutal, na forma como a gente se vê no espelho. Isso afeta a vaidade: creminhos, óleo de banho, novas combinações de roupas. Sem falar no sorriso aberto diante do espelho. Posso falar por mim, sou extremamente crítica comigo mesma. Ok, outro contrassenso: eu comi até ficar como estou hoje. Mas nunca deixei de me olhar e enxergar as bordinhas, as celulites, ruguinhas antes inexistentes.

Seja como for, qualquer mudança na rotina dá diferença no espelho... dieta, ginástica, massagem, whaterver. Mude um detalhezinho, tipo trocar o pão branco pelo integral, o açúcar branco por mascavo ou adoçante. Em algumas semanas, a diferença aparece, e agente fica feliz da vida. Sem falar na disposição. Mas isso é assunto para outro post, rsrs.