sexta-feira, 23 de março de 2012

A estreia de Isabella

Nem dia 25, como a mãe queria, tampouco dia 26, na conveniência do obstetra. Isabella resolveu estrear na manhã de ontem, 22/03/2012, e logo cedo "empurrou o pé na porta", acordando mamãe e papai. A titia aqui estava a caminho do escritório, quando ouviu o sinal de sms do celular. Chamada perdida, sms, tudo para anunciar: Isabella vai nascer.

Retornei e do outro lado da linha uma parturiente muito serena, avisando que estava a caminho da maternidade. Para tudo, rsrs. Corri para lá. Só que as coisas na minha vida têm uma pegada cômica, então cheguei, estacionei na rua lateral da Gastroclínica, em zona azul. A piada foi ter que sair à caça do vendedor de cartões, e eu, claro, não localizei, mas contei com a boa-vontade do segurança do prédio, que indicou um ponto de vendas do outro lado da rua. Cheguei lá, a moça não tinha troco, então confiou nos meus lindos olhos e entregou o cartão para que eu passasse depois e pagasse. (Update: troquei e paguei, rs.)

Nesse intervalo, o casal-quase-trio chegou, e riu da cena: cheguei primeiro, e estava mais agoniada que os dois juntos. Daí por diante, assumi o papel de secretária e telefonista... e como ando preparada para emergências (bolsa da Mary Poppins), socorri o papai com uma barrinha de frutas, já que em solidariedade à esposa, ele não tomou café-da-manhã. 

Por volta das 9h30, Isabella chegou ao berçário, para delírio dos curiosos de plantão. Alerta, olhos arregalados, nada de choro... parecia querer mostrar a todos que já nasceu diva, rs. Só reclamou quando desfizeram seu casulo, para um exame geral e aferição de medidas: bocão e berreiro.

Dali a pouco, já estava limpinha, toda arrumadinha com a vestimenta "número 1". Um parênteses: a Flávia numerou as trocas de roupas... gente, é muita organização até para mim, rs. 

Não tenho palavras para descrever a emoção de ver uma nova geração oriunda de uma amiga da adolescência. Poder fazer parte da vida de pessoas tão queridas, compartilhar a emoção com milagres como a Isa, não tem preço. 

Sou madrinha de duas crianças lindas, muito amadas. Tia consanguínea de duas meninas saudáveis, e de terceiro(a) porvir. Mas não consigo traduzir em palavras o que senti, desde o momento em que soube da gravidez, até o instante em que vi esse novo ser. Creio que só ali, de verdade, corpo-alma-coração, tornei-me tia. 

Obrigada Flávia, por proporcionar uma alegria tão imensa.