terça-feira, 14 de junho de 2011

Quando eu era criança, e a realidade dos dias atuais

Acabo de ler no portal Terra uma notícia que me deixou perplexa: um menino (11 anos) morreu após ingerir biscoitos recheados com veneno para rato. O pacote teria sido "preparado" por duas meninas, de 13 e 14 anos, mas seria destinado a outras duasgarotas.

Sim, eu sei, apesar de o termo buillyng ser relativamente novo, a atitude é antiga. Quando eu era criança, meu cabelo era mega treva (valeu mãe!), e eu era magra de doer (valeu mãe, de novo!), e eu era chacota não só da galera da sala, mas do meu próprio irmão. Nas classes em que estudei, havia crianças gordas, magras, e uns gatos-pingados filhos de pais separados. Naquela época, a regra era de pais casados, vale ressaltar.

Recordo-me, igualmente, que a hora do recreio era uma sessão de tortura. Light, mas era sim. Ah, esqueci de mencionar, nunca fui abastada, mas estudei em colégio de riquinho (aí sim, valeu mãe, de coração!). E quem viveu algo parecido, sabe que as condições financeiras são frequentes motivos para discriminação.

Ok, mas eu não convivi com psicopatas. Naquela época, o máximo da rebeldia era "gazear" aula (nunca tive coragem, rsrs). Os mais sem-noção, no segundo ano de ensino médio, escalaram a parede externa da escola, entraram na sala dos professores e roubaram as provas de recuperação. Venderam, e com o apurado, fizeram a festa.

Claro que a farra rendeu punições: expulsão dos deliquentes, cancelamento das provas. Claro que não é aceitável um comportamento desses, nem nos anos 90, nem hoje, nem daqui a vinte anos. Mas voltemos ao assunto do post: biscoitos envenenados. O que está acontecendo com as famílias nos dias atuais? Onde estão os valores, a moral, a ética, o respeito ao ser humano? Quero dizer, o que leva uma dupla dessas a planejar um crime tão ardil?

De fato, muita coisa mudou desde que eu deixei a infância. Temo que tenha sido para pior. Aí eu pergunto, novamente: o que será das gerações daqui em diante? Que tipo de cidadãos estamos criando? Será que minha(s) sobrinha(s), afilhadas, os(as) filhos(as) dos(as) meus(minhas) amigos(as) tornar-se-ão abomináveis assim???