domingo, 5 de fevereiro de 2012

Grosseria no DNA

De gente ignorante, eu quero distância. Aliás, prefiro ignorar a existência. Creio que seja um "castigo" bem eficaz.

O fato é que o sangue Brasil deve guardar qualquer parentesco longínquo com o sangue Lunga. Há alguns exemplares masculinos que, pelo amor de Deus!

Pois bem, a genética também tem parcela de contribuição no caso dos Brasil. Papai foi um dos piores exemplares que conheci na vida, em termos de grosseria, estupidez e falta de modos em tratar os seus. Aos olhos dos outros, era um anjo, gente boa, um parceirão. 

Daí que o ditado "quem sai aos seus não degenera" faz muito sentido. Meu irmão é uma cópia fidelíssima do que foi o papai. Inclusive a forma de lidar com os filhos, com a mulher, enfim. E a coisa de "querer cantar de galo" infelizmente não "podada" pela genitora, perpetua-se até hoje, no caso dele. Não sei, a psicologia deve explicar essa coisa de o filho querer tomar o lugar do pai. 

Enquanto escrevia esse post, fazia uma retrospectiva dos fatos. Nada mudou. Ou melhor, piorou. Como não há "cortes" nas "asinhas" desse "galo", o pescoço vai ficando grosso, a ponto de se ter cenas patéticas com murros no portão, gritos e palhaçadas do gênero.

O que eu faço? Bem, simplesmente sigo ignorando. Sem platéia, comportamentos infantis perdem a graça, não é mesmo?