sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Céu azul após a tormenta

Já há algum tempo, decidi que não mediria esforços para ser feliz. E mais: implementei o pensamento "vai dar tudo certo". Parece bobagem, mas além de terapêutico, é absurdamente eficaz no combate ao stress dessa vida cotidiana.

Óbvio, todos atravessamos tempos difíceis, vez ou outra. O que diferencia os fracos dos vencedores é justamente a capacidade de ter esperança, e enxergar o que virá (ainda que não veja a-b-s-o-l-u-t-a-m-e-n-t-e nada, numa distância superior a um palmo). Vejam bem, não é não cair, mas sim se dispor a levantar.

Não é novidade por aqui que eu enfrentei anos difíceis, pessoal e profissionalmente. Mas a mágica nisso tudo foi justamente parar de chorar, de reclamar, colocando ação nas coisas. Não é feitiçaria, nem tecnologia (plagiando a propaganda...)... é esforço contínuo, dedicação, e muita fé.

Agora, passado o pior momento de trevas, a luz começou a irradiar pelas frestas das portas e janelas do quarto onde me refugiei. Não há mais peso a carregar, lamúrias a suportar, nada. Chegou o tempo de ser feliz, de deixar brotar o sorriso espontâneo a cada memória bem recente, a cada toque do telefone, rs. Hora de aceitar elogios, carinho, afeição sincera. 

Creio que uma frase do Caio Fernando Abreu sintetize com perfeição o que estou dizendo... "Nenhuma luta haverá jamais de me embrutecer, nenhum cotidiano será tão pesado a ponto de me esmagar, nenhuma carga me fará baixar a cabeça. Quero ser diferente. Eu sou. E se não for, me farei."

 Posso dizer, honestamente: eu sobrevivi!