quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A dura realidade

Ai que raiva de mim mesma!

Acabei de remover o cidadão das redes sociais. É quase como arrumar as coisas da pessoa, para mandar devolver: o sofrimento é um horror.

Pior é que nem posso chorar, pois estou no lobby do hotel, usando a internet no único ponto em que é livre... 

Alterno momentos de raiva, de mágoa, de vontade de chorar até dormir, de passar a mão no telefone e ligar esculhambando [não, eu tenho classe, nunca fiz isso e não pretendo começar agora]... e devo confessar que lá no fundo, bem fundo, há uma centelha de esperança de que tudo isso não passe de um pesadelo.

Aí a realidade, com sua fúria arrasadora, esmaga o lugar onde a centelha está... e tudo volta a ser dor e escuridão. Tomara Deus que a realidade se modifique, e deixe de ser opressora, para ser benevolente.

(as manchas roxas no braço esquerdo são a outra dura face dessa realidade. Inexorável).