quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A gente muda, rs.

Pesquisando decisões judiciais, a fim de instruir um recurso contra uma sentença que negou o pedido de aposentadoria por idade de um trabalhador rural, compadeci-me com as pessoas que cedem aos rompantes de fúria.

Bom, noutra época da minha atual existência, eu certamente teria blasfemado, danificado o computador, e estaria num esfiral decrescente de ira. É, a minha voz continua a mesma, mas os meus cabelos, quanta diferença! mas eu mudei.

Sim, caro leitor, o meu lado Darth Vaden há tempos anda quietinho, repousando nos recônditos de minh'alma. 

O que antes teria tido consequências catastróficas, hoje não passou de um comentário ao colega de profissão e baia, rs. Coisa simples. Diálogo:

[eu] - Compreendo perfeitamente os acessos de fúria das pessoas...
[ele] - Graças a Deus!
[eu] - ... em certas situações.
[ele] - Retiro o que eu disse!
[eu, rindo] - Calma, quase tudo é justificável em matéria de acessos de fúria, mas quando se busca uma jurisprudência e não se acha, jogar o computador pela janela é um pensamento que deve ser combatido.

É, caro Alessandro, ele tem mais sorte do que a que você teve, em nossos 7 anos de convivência, profissional, rsrsrs. Aqui, nem portas há para se sair batendo, tampouco cadeiras a serem derrubadas (todas têm rodízios). 

Pensando bem, nem janelas de onde se possa atirar qualquer coisa: são todas vedadas!