sábado, 20 de agosto de 2011

Quem espera, cansa

Eu odeio esperar. Fato!

Minha amiga Milena nos deu a honra de almoçar - girlie lunch - e mamãe conseguiu, enfim, reunir gente à mesa da sala de jantar, rs. Quatro mulheres, macarronada à bolonhesa, e muita, muita fofoca. O papo rendeu até 18h, rsrs. Por volta das 16h, pausa para um cafezinho e mais tricô. Dessa vez, à mesa da cozinha, rsrs.

Ah, sim, o combinado com o distinto era de que nos encontraríamos às 18h. Quase isso, e ele liga. Como eu me conheço, avisei logo que só conseguiria passar para buscá-lo duas horas depois, às oito. Resmungos do outro lado da linha, e um aceite emburrado. 

Quem é mulher sabe... cabelos, maquiagem, outfit and high heels. Às 20h, eu saía de casa.

No trajeto, já imaginei a cara do impaciente, abusado e querendo desistir de sair. O que eu encontrei quando cheguei? Um cidadão rodeado de notas, cupons, recibos, enfim. E uma planilha de excel de "enlouquecer gente sã", como diria Renato Russo. Ahhhhhhhh, e nada de estar arrumado. 

Enquanto escrevo este post - 1h depois de ter chegado à casa da mãe dele - ele toma banho para irmos ao aniversário da sobrinha [dele], que iniciou às 19h. Bobagem, né? O que é um atrasozinho de 2h, talvez 2h30? 

Eu aqui, arrumada, perfumada, morrendo de fome e com vontade de atirar os saltos 15cm nele, assim que sair do banho.

Impaciente? Eu? Imagine!