domingo, 1 de julho de 2012

Reviver para aceitar - parte 1

Passei a semana cabisbaixa porque o aniversário da gorducha seria sexta, dia 29/06, e eu não poderia beijar aquelas bochechas. Até que na quinta, a cunhada me pediu para dormir no hospital, pois desde a terça elas estavam por lá, para o 1º dia do 2º ciclo, mais forte.

Diante da possibilidade de estar lá, corri na minha parca hora de almoço, e consegui achar faixa de "parabéns", velinha, uma caixinha linda, tudo da Galinha Pintadinha... e ignorando um possível aborrecimento da cunhada, pela bagunça que eu estava planejando, comprei balões e procurei um cupcake... como não achei, comprei uma tortinha de morango, mesmo sabendo da alergia ao leite... minha intenção era ver aquela boquinha de coração fazer biquinho e apagar a velinha. E vê-la batendo palminhas para o primeiro aninho de vida.

A noite foi difícil... e não me lembro de ter rezado tanto na vida... pedia que os anjos permitissem que a fofinha tivesse uma noite tranquila de sono, para que o corpinho fragilizado pelas reações da quimio pudesse se recompor. E foram muitos lençóis e camisetas trocadas durante a madrugada, por causa dos vômitos. Entre cochilos e choro, o dia amanheceu.

Nas oportunidades em que consegui tê-la no meu colo, para que a babá descansasse, aninhei e dei muito carinho, muito beijo naquela cabecinha já quase sem cabelinho... enquanto pensava que eu não tinha a estrutura necessária para ser mãe. 

E após outro vômito, a pessoa da limpeza chegou para lavar o quarto, como é de praxe. Chegou a me pedir que saísse do quarto, mas eu fiquei ali, embalando aquele docinho noutro cochilo... e ela acordava assustada, procurando alguém... e eu dizia que a titia estava ali, que ela dormisse tranquila. E segurando meu braço, apertando como ela gostava de fazer, ela dormia novamente. 

Meu coração me pediu inúmeras vezes para que eu não fosse ao escritório... mas acabe indo, deixando naquele quarto 64 o meu coração e meus pensamentos. E depois de um entrevero no escritório, transbordei. Eu sabia, sabia que algo estava fora do normal. Mesmo com inúmeros pedidos para que eu fosse descansar em casa, permaneci. Era um aviso de Deus, porque logo após o almoço, a cunhada ligou pedindo que eu fosse para lá, porque a pequena tinha sido levada para a UTI desacordada.

Deus é tão bom, que mesmo descontrolada, consegui sair, descer, correr até o estacionamento e seguir para o hospital sem sofrer acidente, nada. Ao chegar, conversamos e decidimos que eu levaria a Maria Eduarda e as duas babás para casa... coisa que a avó materna estava fazendo quando foi informada do estado da caçulinha, e voltou ao hospital.

No caminho, combinei com a Maria Eduarda que iríamos comer pipoca... coisa que sei que ela adora. E assim fiz... ela tomou banho em casa, contou que a avó prometeu um prêmio se ela se comportasse (e ela disse que se comportou), tomou um mamadeirona de mingau e fomos ao shopping. No caminho, ela me alertava dos fotossensores, e escovava os cabelos com a minha escovinha cor-de-rosa, que ela logo encontrou no console do carro. No estacionamento, ela me disse que preferia sorvete... e que tinha que ser branquinho (era baunilha, do Mc Donalds).

Enquanto ela tomava o sorvete, meu telefone tocou, e a notícia que eu nunca quis ouvir me foi dita. Como é que se reage a isso tendo outra criança com você? Como ser forte, meu Deus? Desnorteada, segui com ela até os brinquedos que ela tanto falava: "o papai me levou no trenzinho, tia, lá em cima". Tentando não desabar, comprei e carreguei o cartão, para que ela brincasse... foram 3 brinquedos, até que disse a ela que precisávamos ir para casa. Ela compreendeu, e fomos. No caminho, ela dormiu.

Quando cheguei ao condomínio, as pessoas se aglomeravam em frente à casa... as babás estavam inconsoláveis. Decidi não acordar a menina, para que não visse aquele tumulto. Logo os pais chegaram, e foi horrível. Ele a tirou do carro, ela acordou e logo disse "peraí papai, o meu brinquedo do Mc Donalds", que ela antes tinha me dito "tia, quem vai gostar desse brinquedo é a Letícia"

Daí em diante, só outro post para descrever o que é dor...

(continua...)