domingo, 1 de julho de 2012

Eu sinto muito, Letícia

Letícia,

eu não fui uma boa tia, mas prefiro acreditar que, de alguma forma, pude ser útil a você e seus pais quando tudo isso foi descoberto. Egoisticamente, via sua permanência no hospital como uma rara oportunidade de estar perto, poder beijar e abraçar você, ainda que você me estranhasse um bocadinho.

Perdê-la jamais, jamais foi uma opção na minha cabeça. Eu via, sim, um longo caminho a percorrer, e que ainda que não pudesse participar ativamente do processo, confortava saber que você estava ali... ter notícias suas... a gente acompanhava paralelamente, e isso nos bastava... porque era assim que tinha que ser.

Naquela quinta-feira, confesso que fiquei chocada quando vi sua cabecinha quase sem cabelinho... fazia dias que eu não via você... conversei com sua mãe sobre os planos para o quarto de vocês, e mostrei a ela as travessuras que tinha levado para sua festinha... 

Mas o que eu queria dizer a você é que eu sinto muito, muito... pelo tempo que desperdicei com imaturidade. É que nós, adultos, somos idiotas mesmo... e você que nos ensinou que amor é coisa simples. Aliás, você ensinou muito em tão pouco tempo... 

Meu anjinho, obrigada por ter me dado o privilégio de cuidar de você, ainda que tão pouco. Obrigada por ter sido forte, guerreira, enquanto nós fraquejamos diante do mais simples problema... 

Vou sentir falta do seu grunhidinho, do seu chorinho "no mudo" (rsrsrs), do seu jeitinho de dizer "não" com a cabeça, e roer o biscoito maisena, da boquinha e dos bracinhos demonstrando a ansiedade pelas colheradas de comidinha... e nunca mais vou ver a Galinha Pintadinha sem lembrar o seu fascínio... 

Mas o que mais fará falta, com certeza, é ter você no colo, segurando meu braço e apertando, só para saber se eu estava ali, mesmo. Quando me sento, sinto o pesinho do seu corpo no meu colo, princesa. E é naturalmente reativo que eu balance, embalando você.

E mais uma vez, perdoe essa sua tia... e saiba que você será sempre amada, lembrada, mencionada. Eu te aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaamo, viu?