sexta-feira, 6 de julho de 2012

Os ciclos da vida, as cores de cabelo

Quantos ciclos você já encerrou na vida? Já parou para pensar nisso?

Mais que necessário, fechar etapas significa ter posse da chave que abre novas portas para outras possibilidades. E a afirmativa se encaixa em qualquer aspecto da vida... pessoal, sentimental, profissional, familiar...

Pode parecer futilidade, mas algumas das etapas cruciais da minha vida foram encerradas e logo em seguida os cabelos foram modificados. Há uma ligação psicológica grande entre mudar o visual e recomeçar a vida... até porque você se olha no espelho e, muitas vezes, consegue transformar de fora para dentro, quando já tentou o inverso e fracassou.

Experimente! Mas não aja por impulso... pondere as opiniões, especialmente: ouça o profissional que cuida das suas madeixas.

Sempre fui fascinada por cabelos rubios, e já percorri a cartela de cores dos super-mega-power vermelhos, super intenso, cereja e afins. A ponto de meu pai ter feito vários comentários pejorativos à época, tipo "você parece uma drag queen", ou ainda "parece um galo campina". Ok, elogios nunca foram o forte dele, deixa para lá.

Abandonei o ruivo às custas de sofrimento em todos os sentidos... mas principalmente, tendo de esperar que o cabelo crescesse para cortar. Daí o receio de voltar... porque em seguida fiquei loira. Óbvio, quem é ou foi loira sabe a mão-de-obra que é... mas compensa.
 
Digo que ser ruiva não é muito diferente, até porque é uma tonalidade que exige cuidados triplicados para não deixar a gente parecendo O Quinto Elemento, com cor de água-de-salsicha. 

Finalizando... a decisão de permanecer ruiva é o fechamento de uma etapa, início de uma nova. Pela primeira vez, a decisão foi de dentro para fora, e o que o espelho reflete é só uma demonstração da mudança que começou aqui dentro...