sábado, 12 de março de 2011

Uma nova novela: o sofá (e a aliança)

O dilema deixou de ser a tv, passou a ser um sofá retrátil. Quando você pensa em adquirir num produto desses, não imagina a quantidade de informações que devem preceder a escolha: cor do piso, das paredes, dos demais móveis... ah, e a metragem do espaço também é um dado fundamental.

Ok, escolhemos o rack pelo binômio preço/altura. A cor? Tabaco com maple (para mim, um nome diferente para um bege). Ganhamos da sogra um par de cadeiras-de-apoio, tabaco. Lógico, o medonho estofado verde cítrico está fora de cogitação na minha sala.

Eu havia escolhido um sofá fofo, na Linea Nobre. O cidadão faria do jeito que eu quero, incluiria a impermeabilização, e mandaria entregar juntamente com uma encomenda que sairá em 15 dias para Sobral. Fiquei em dúvida entre duas cores: pedra e fendi. São tons de cinza, meio esverdeado (eu disse MEIO, rs), meio marrom, sendo o primeiro mais escuro.

Meu digníssimo namorado (que insiste em dizer que sou apegada a coisas materiais - a aliança*, no caso - e pede para esperar as coisas acontecerem naturalmente) foi até lá, viu o dito-cujo, mas insistiu para que eu fizesse pesquisa noutros locais. Perda de tempo, de gasolina, ganho de aborrecimento: Jacaúna é para bem nascidos (a.k.a: ricos), e outras lojas são qualidade/preço incompatíveis com nosso gosto/orçamento.

Amanhã, espero por fim a essa nova novela das 20h na minha vida. E, quem sabe, até a Semana Santa eu tenha um sala mais digna (e uma aliança, afinal sonhar não custa nada!).

*Quando falo "aliança", estou-me referindo a compromisso (noivado). Usamos, sim, alianças de compromisso, relativas ao nosso estágio atual de relacionamento. A aliança que almejo é a data do casamento agendada, não o anel em si. Já tenho um, não me incomodo se só trocá-lo no dia da cerimônia.