sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

A semana excêntrica

Coisas surpreendentes acontecem quando a gente acha que tudo está
perdido. Essa foi a semana das coisas extraordinárias... Primeiro, as
audiências redesignadas de segunda. Na terça, a ira por causa do
remédio do vovô... Não consegui na faculdade, e quase não comprei a
única caixa existente na única farmácia que possuia, por questões
estúpidas relacionadas à burocracia com receitas médicas. Fui salva
pelo marido de uma amiga, que gentilmente emitiu nova receita
prontamente.
Pois bem. Quarta as audiências foram um sucesso, mas aquela chuva me
trancou em casa na parte da tarde. Quinta foi a confusão para comprar
as passagens para Sobral, ida e volta. Sexta, ah a sexta...
O trânsito abençoado pelas calamidades das obras me atrasou meia hora
a chegada ao escritório. Ok, liguei o som do carro e o botão do
"f+@#-se" na minha cabeça. Não havia nada mais a ser feito.
O caos parecia disposto a não me deixar em paz hoje: internet e rede
em permanente queda inviabilizavam os trabalhos, a toda hora aparecia
uma pendência ou algo "para ontem". Incrivelmente, não perdi a
sanidade. Mas quando o celular tocou 15:50, minha tranquilidade
ameaçou pular pela janela. Decidida a concluir o trabalho e sair
voando do escritório, não sei explicar como, mas enviei o e-mail e saí
16:30. Vejam bem, o ônibus sairia 17h, e eu ainda sairia do centro
para o meireles, para então voar literalmente até a rodoviária. Num
ato de iluminação divina, cogitei de pedir no guichê da companhia para
que informassem via rádio que eu estava a caminho. Deu certo:
embarquei 17:10.
Realmente, essa foi uma semana de excentricidades.