segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

As perguntas tão temidas

Quando se é criança ou adolescente, há certas perguntas que são estopins de desânimo, tipo "e aí, passou por média?", ou "e aí, tá namorando?", "vai prestar vestibular para o quê?"... Na idade adulta, outras são bem mais temidas. Vamos ao ranking, em ordem crescente de temor:

1 - Já tá estagiando? É remunerado?
2 - E aí, o namoro é sério mesmo?
3 - Hum, está formada... e aí, vai advogar ou estudar pra concurso?
4 - Já comprou um carro? (ou pior, aquela cara de desdém quando vê QUAL é o carro)
5 - JÁ CASOU? TEM FILHOS?

Quanto a essa última, invariavelmente vem acompanhada de um olhar de pena E desdém, especialmente se o(a) interlocutor(a) já for casado(a).

Hoje, no horário de almoço, fui ao posto da CEF situado no fórum trabalhista. Enquanto aguardava na fila, encontrei uma colega de faculdade. Ela, claro, não perdeu a oportunidade de me perguntar se eu já havia ido visitar o recém-nascido de um casal, também, colegas nossos de faculdade. (Não, eu não fui, e provavelmente não irei). Ato contínuo, ela olhou para as minhas mãos, numa vasculha por aliança ou afins. Não encontrou, e com a-q-u-e-l-a cara, fez a temida pergunta para quem, como eu, está no início de um ano "Bridget Jones" (para quem não leu o livro ou não viu o filme, depois explico melhor noutro post).

O sorrisinho sarcástico dela veio acompanhado de uma passada de mão nos cabelos, justamente a esquerda, onde uma aliança repousava no anelar.

Fiz os pagamentos que me levaram até lá, transferi o restante do dinheiro para a conta e resolvi escrever esse post. Ponto. Sem mais comentários, já que estou em processo de reabilitação.

(Sim leitor, eu sei que estou em plena rehab, mas você há de convir que isso acontece, e é sempre com um certo requinte de crueldade de quem pergunta.)