quinta-feira, 13 de maio de 2010

Um cansaço, mais um dia...

Todo dia acordo com a sensação de que devia (e merecia!) ficar mais 5 minutos na cama... só mais 10, ou 15, 30... aff. Acabo me arrastando da cama entre 6 e meia e quaaaaaase 7h (medo!). Com tanta disposição ao acordar, o pessoal lá em casa já sabe: melhor não haver muita comunicação matinal, PRINCIPALMENTE se for para pedir alguma coisa, ou pior, COBRAR alguma coisa.

Sobre o assunto, namorido foi amplamente advertido por mamãe... acho que pela irmã também, não lembro... E já acostumado, e num dia "daqueles" de mau humor meu, perguntou se eu agiria assim com um filho pulando na nossa cama, tipo 5 ou 6 da manhã. Sem titubear, e lançando "aquele olhar", minha resposta foi: "ele" vai ser "adestrado" para evitar esse tipo de atitude... e nos dias "de cão" da pessoa aqui, ainda vai alertar o "pai" sobre os perigos de uma abordagem matinal mais diferenciada.

(Tá, deixa eu explicar: não somos casados, e nem pretendemos ter filhos. É que meu amado adora criar situações imaginárias para me fazer mudar de opinião ou de atitude diante de uma situação. Às vezes funciona, mas nesse caso específico, tá bem difícil de mudar meu pensamento, rsrs)

Voltando ao primeiro parágrafo desse post... Hoje é mais um daqueles dias em que realmente a vontade é de não levantar, de desligar todos os aparelhos de (tele)comunicação num raio de 2km, e dormir o sono dos justos até o corpo reclamar das posições ou do calor. Mas sabe como é... trabalho... 8h. E tem o trânsito (Fortaleza está quase instransitável). Prudentemente, administro uma rotina que me obriga a estar dentro do carro antes das 7 e meia, já prevendo o caos nas avenidas e ruas que me levam de casa ao escritório.






Mas há dias que isso é uma missão quase impossível... (despertador, por favor, não toque!)