quarta-feira, 9 de junho de 2010

Inteligentes e idiotas

"O maior prazer de uma pessoa inteligente é bancar o idiota, diante de um idiota que banca o inteligente."

Com essa frase, começo o post de hoje dizendo que percebi que mudei de verdade. Desde o início de fevereiro, com o turbilhão no qual fui atirada, muita coisa mudou em mim: a forma de ver as coisas, a maneira de lidar com as situações, não reagir ou agir com cautela. Quem me conhece, sabe que eu sou  bastante transparente, o que é bom e ruim como característica pessoal, mas profissionalmente é mal visto.

Já fui julgada como temperamental, desequilibrada, etc. etc. etc. Nunca me incomodei, porque acredito que o que pensam de mim não é problema meu... Mas chega uma hora que a gente é forçado a "jogar o jogo". Depois de muito analisar os absurdos pelos quais fui obrigada a passar, e de chorar por me sentir culpada, percebi que estava sendo idiota. Não tenho culpa, nunca tive.

Eu estava agindo como as mulheres que apanham e ainda se sentem culpadas por apanhar, e acreditam que fizeram algo para merecer isso. STOP! Não fiz nada para merecer todo esse assédio moral. Até por definição, esse tipo de assédio nada tem a ver com o cidadão em si. É mero capricho de quem detém o poder econômico humilhar, ameaçar, apartar do convívio com os demais, dar tarefas de menor importância ou ainda degradantes...

Pois bem... um sábio espírito encarnado (rs) me ensinou a deixar para lá, a "jogar o jogo" e não reagir como antes. E eu entendi a mensagem. Desde então, a vida mais parece um cabo-de-guerra: puxa de um lado, puxam do outro, mas ninguém sai do lugar.

Só que tem horas que a gente ouve certas coisas que parecem mentira! Desculpem-me a falta de modéstia, mas sou inteligente, e fico incrédula quando percebo que pensam que sou idiota, que sou incapaz de entender quando uma "conversa" na verdade é um recado. Sorry, mas eu percebo armação longe, lá de longe... Só que eu não sou mulher de meias palavras, eu falo mesmo, e deixando claro o que penso, consciente de que o "moleque de recado", mais conhecido como "rec-repete", vai retransmitir palavra por palavra do que eu disse.

Quer me ver pelas costas??? Então me dê o cartão vermelho, ponto final. Agora eu digo: também sei jogar, aprendi direitinho nesse tempo todo de convivência. E se é para entrar na briga, lá vai o closet INTEIRINHO. Passei muito tempo dando vestidos para não entrar, mas agora vai bolsa, sapato, cinto, blusa, e todo o resto.