segunda-feira, 14 de junho de 2010

Exercício (diário e necessário) de gratidão

Sou eterna insatisfeita com um montão de coisas na minha vida: os 10kg que adicionam "bordinhas de catupiry" à minha silhueta, os 4,5 graus de miopia que me obrigam a ver o mundo através de óculos de armação vermelha (rsrsrs), os cabelos que i-n-s-i-s-t-e-m em nascer ondulados e me dão um trabalhão para hidratar e domar... enfim... Só citando alguns exemplos.

Daí que, de vez em quando, acabo me dando conta de que deveria olhar mais para o que há de bom, do que ocupar meu tempo dando importância ao que é ruim. Isso invariavelmente acontece quando das conversas com as amigas cujos problemas são vistos como montanhas intransponíveis, mas que de fato são pedras das quais se pode desviar com facilidade.

Creio que Deus me coloca pessoas no caminho para que, ao lhes dar palavras de fé e força, eu possa ouvir (ou ler) o que estou dizendo, e aplique isso na minha própria caminhada diária. Sem falar que, ao dar conselhos, a gente acaba ficando "aprisionado" naquilo que diz... não poderia ser diferente!!! Como eu vou dizer não coma isso ou aquilo, faça alguma atividade física, viva e deixe viver, um dia de cada vez, etc. etc. etc., se eu mesma não tiver por hábito todas essas práticas???

Nada pior do que subir num pedestal e ficar gritando lá de cima: faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço!

Por isso, hoje eu decidi agradecer por tudo (de bom e de ruim) que me tem ocorrido... até porque, no final das contas, é muito mais coisa boa do que ruim. Graças a Deus! (e que continue assim, rs)