sexta-feira, 22 de julho de 2011

O desafio pessoal

Sim, meu gentil leitor e comentarista-mor (Fernando), lançou o desafio e me apresentou o fruto-proibido, rsrsrsrs. 

A despeito de não saber exatamente o que me serve de estopim, aceitei, e agora tenho dado vazão às palavras, materializadas em crônicas que brotam do nascedouro, cuja existência eu ignorava em mim mesma.

Desde a mais tenra idade, as palavras me encantavam, e escrever era uma necessidade. Como a frase de Clarice, que estampa o cabeçalho deste humilde blog, fui acumulando até que explodi em palavras. Óbvio, essa explosão fora, vez ou outra, verbalizada; mas em essência, costuma ser transcrita. Como prova, os inúmeros diários que jazem no maleiro do guarda-roupas.

Por sinal, este blog nasceu por sugestão de amigas, que incentivavam a confecção de textos, sob alegativa de que eu tinha dom para a coisa. Se é ou não dom, se possuo ou não, it doesn't matter. O fato é que as ideias e as palavras preenchem esse espaço virtual há mais de um ano.

Essa nova seara que decidi conhecer é sedutora, misteriosa. Com cautela, vou entrando devagarinho, e sei que posso não ser bem recebida. Entretanto, não vou desistir. O tempo dirá se foi a decisão correta.