quarta-feira, 2 de maio de 2012

O dress-code e o bom senso

Ok, aquele ditado "quem está na chuva, é para se molhar" faz sentido. Especialmente quando o assunto é dress-code em ambientes corporativos... pior ainda quando estamos falando de cargos ligados ao Direito.

Há ambientes absolutamente avessos a modismos, como bancos, escritórios de advocacia e afins. O máximo que se consegue é uma blusinha da cor must-have da estação. De resto, o negócio é padronizar no bom e velho conjuntinho, que a mulherada in-sis-te em usar combinandinho (não, não escrevi errado, é que odeio tanto o coordenadinho que "criei" esse termo).

Aceitemos o fato de que não vamos o mudar o mundo... mas que é possível deixar de ser mais uma na multidão, com toques de personalidade ao formalismo... dá sim. Mas o post não é sobre dicas... rsrs. É sobre falta de bom senso. 

No grupo, há várias empresas, além do escritório jurídico (óbvio!). Via de regra, todas trabalham com ou para o banco (vou me abster de informar qual). Daí, só porque não há contato direto com o público, o pessoal acha que pode trabalhar de jeans e camiseta. Se o foco for a mulherada, pelo amor de Dadá! É um tal de rasteirinha, regatinha, cabelinhos desgrenhados, maquiagem nem de longe... Je-sus!

Daí hoje circulou um em-mail com uma bronca coletiva, e a determinação de vestimenta adequada ao formalismo que o negócio requer. 

Ok, ok. Não que eu concorde com a determinação de usar blazer, como se fosse o único modo de andar bem vestida. Mas devo admitir que, para a média das mulheres, trata-se de solução para o mau gosto, já que é difícil errar vestindo calça e terninho (mas não impossível... basta ver as calças apertadas ao extremo).

Acho que vou escrever novamente sobre o assunto.
Não entendo como uma mulher pode andar mal vestida.
Sinceramente.