quarta-feira, 2 de maio de 2012

Confiar na tecnologia...

É inegável que a tecnologia auxilia, e muito, a vida da gente. Mas tem seus contras e sorri seus dentes de chumbo quando a gente menos espera.

Hoje, paguei um boleto de uma colega através de leitura do código de barra. Via de regra, correspondem às informações constantes do boleto em si. Não foi o caso, e para nossa surpresa, o que era R$ 53,07 virou R$ 530,00.

Estamos - as duas - reféns do sistema: nem a agência estorna o valor pago, tampouco é possível efetuar o pagamento do valor correto. Agora, os procedimentos para ressarcimento (sim, porque é devido, visto que em todos os campos do formulário e do boleto consta o valor correto a ser pago, R$ 53,07) deverão ser feitos na agência onde ela tem conta...

No frigir dos ovos, tudo volta a se resolver na mesa do gerente. Tecnologia é bom, quando dá certo... quando não dá... senta que lá vem a história.