segunda-feira, 16 de abril de 2012

Dando ouvidos aos avisos

Não foram oucas as oportunidades em que me dei mal por ignorar uma "tentativa de aviso" (ou como prefira classificar: intuição, aviso, premonição...). Pois bem... dia desses, compromisso marcado, porém sem horário rígido definido, flagrei-me impaciente, olhando as horas a cada piscar de olhos... ao passo que uns pensamentos meio sem sentido permeavam o meu consciente.

Enquanto me arrumava, às pressas, debelei uma batalha entre os pensamentos e a razão. Orei. Achei que havia sido suficiente... Curioso porque, ao chegar ao local, eu quase pude ver a cena que a mente pintava, horas antes... porém, a confirmação de que não se tratava de um mero aviso, mas sim de Providência Divina, veio no dia seguinte.

Um alívio se apoderou de mim, ao mesmo tempo em que a angústia do que poderia ter sido também deu o ar da graça. Resumindo: só tenho a agradecer cada empecilho, cada minuto de atraso... toda a conspiração positiva que me protegeu de uma catástrofe.

Aprendi que devo prestar atenção quando o coração ficar apertado, a mente ficar agitada... os cenários se sobrepuserem à realidade. Aí tem coisa!