terça-feira, 3 de abril de 2012

Considerações sobre merecimento

Quando se é criança, geralmente chega uma idade em que seu objetivo de vida é ter um bicho de estimação. Você sonha com ele, fica com inveja de quem tem, passa pelos pet-shops e usa toda a lista de argumentos para tentar convencer seus pais de que merece e vai ser responsável o suficiente com o animalzinho.

Fica injuriado de tanto ouvir "não", pelos motivos mais diversos possíveis. Chora, esperneia, contra-argumenta, e nada. Daí você esquece e segue vivendo.

Um belo dia, inesperadamente, aquele sonho se torna real... a felicidade de estar em sua companhia é tamanha, que o interregno entre a espera e o encontro se dissolve na rapidez de um sorriso.

Hoje, quando li esse trecho de Caio Fernando Abreu, acabei me dando conta das inúmeras vezes em que argumentei com Deus sobre a imensa vontade de dar "o passo adiante". Chorei, lamuriei, fiz uma centena de besteiras e nada. Creio que não quis enxergar ou ouvi-Lo dizer que eu não estava pronta o suficiente, ao contrário do que pensava.

Agora, enquanto sigo brincando de boneca, de pique-esconde, entre livros e filmes, o meu Pai deve estar avaliando se já atingi o que, para Ele, é o estágio de merecimento necessário. Será uma surpresa maravilhosa, e certamente o tempo que levará até que chegue e se instale, será esquecido na velocidade dos olhares que hão de se cruzar.

"Não se preocupe, não tenha pressa. 
O que é seu, encontrará um caminho para chegar até você. 
Deus não demora, ele capricha."