quinta-feira, 15 de julho de 2010

A flor no deserto

No meio dessa confusão toda, existem motivos para sorrir... às vezes a gente tem dificuldade de enxergar, porque foca tanto o problema que não consegue ver nada além disso.

Para mudar um pouco a linha dos últimos escritos, vou-me ater aos bons ventos dessa tempestade: minha fé, que antes oscilava em razão do cenário; e amizades que surgiram ou se consolidaram no meio dessa tormenta. 

Redefini minha relação com a espiritualidade, comecei a entender uma porção de coisas que antes não estavam bem delineadas. Hoje consigo conversar com o poder superior muito francamente, o que me leva às lágrimas em algumas ocasiões, mas usualmente me reconforta e dá forças para seguir adiante. Como aprendiz, ainda me pego questionando ou reclamando, até cobrando resultados... ninguém é perfeito né?

Sobre as amizades, compreendi a força de vários elos entrelaçados, e a quase impossibilidade de destrui-los. Fui testemunha de um pacto pelo desarmamento, rsrsrs, de onde surgiu um respeito e que agora está construindo uma amizade sólida. A ideia é fortalecer e consolidar esses laços, em encontros mensais a la Sex and the City.

 
Porque a vida pode ser difícil, mas quando temos amigas com quem contar, é possível enxergar a luz no fim do túnel.