sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Desativando alarmes internos

A vida é engraçada e de vez em sempre quando traz um episódio para nos testar, de alguma forma. Uma resposta do João hoje fez soar alto os alarmes na minha cabeça... coisa de gente traumatizada.

Aliás, o trauma é algo curioso. Você pensa que compreendeu, resolveu, superou... e um dia acontece algo e lá vem o desgraçado sorrindo que nem o maldito Rabugento, tirando onda com a sua cara e meio que dizendo: você é uma otária, e nada vai dar certo. Eu sempre soube disso.

Algum tempo depois, a experiência - no auge da sua formalidade e rigor - vem com seu coque bem armado, seus oclinhos de gatinho da ponta do nariz, arrastando um corpo pesado e vestido que nem uma professorinha do século passado, e lança para o trauma o olhar de fuzilamento: imbecil, limite-se à sua insignificância! Pronto, situação contornada, ordem restabelecida.

A experiência é meio que o bedel da coisa toda... de vez em quando percebe uma movimentação estranha no ar, e bingo!, sempre tem algo errado que precisa ser corrigido.

Claro que a intenção do namorado ao responder foi das melhores, mas algumas palavras apertaram a campainha... rsrs. Esclarecido o caso, a vida segue.