quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Que falta faz um "não!"

Estamos criando uma geração de futuros monstros!

Cheguei a essa conclusão, após ler uma reportagem acerca do ataque de uma adolescente a outra, para roubar - pasmem! - os cabelos. Sim, munida de tesoura, a criatura abordou a outra e simplesmente passou a tesoura nos fios! Identificada a agressora, instada a mãe, a justificativa foi que a "peça" queria fazer um mega-hair, mas a mãe estava sem dinheiro. Juro, estou chocada. A notícia está aqui.

Bom, os pequenos tiranos de hoje, muito provavelmente serão os futuros criminosos que estamparão as manchetes, logo ali adiante. Quando pequenos, birras, uma série de "nãos" às ordens familiares, indisciplina, transtornos escolares e por aí vai. A cada vez que se cede a um capricho infantil, nega-se a esse ser em formação a capacidade de aprender a lidar com a frustração.

Os programas - como Supernanny, Adolescentes Rebeldes e afins - revelam o panorama do que digo: pais omissos, filhos tiranos, família e sociedade à beira do caos absoluto. Ao impor limites, estabelecer regras, restaura-se o equilíbrio que havia nas gerações de nossos pais e avós, hoje praticamente extinto. Ou você que me lê nunca se deparou com alguma miniatura de gente estatelada no chão, rodeada de pais envergonhados ou furiosos, sem saber como lidar com a cena do pimpolho?

A verdade é uma só, meu caro: faça todas as vontades do seu filho, e seja "engolido" por ele no futuro. Porque se você não dá limites claros, o mundo o fará, e de uma forma nada didática, tampouco amorosa.