terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Lições de vida por Carlos, o manobrista/humorista

Creio que já mencionei por aqui, mas não é prejudicial rememorar. Carlos é o manobrista da clínica onde fica o consultório da minha terapeuta; sempre bem humorado e cordial, vai cativando as pessoas ao redor. 

Daí que um dia, e não me pergunte como nem por que, descobri que o cara é humorista. Óbvio, se Tom Cavalcante, ou Tiririca, tiveram lá seus dias de trabalhador brasileiro, o Carlos tá no caminho certo. A ginga própria do cearense, as "deixas" de alguns de seus personagens, o tom alto-astral que parece não ter fim.

Só que, para além da fachada, tenho tido a sorte de conhecer um bocado do lado que provavelmente é o sustentáculo desse todo... dia desses, cheguei arrasada por causa do carro amassado (já contei, não sei se aqui, mas no Facebook sim, que um ciclista colidiu com meu carro e graças a Deus não morreu, mas me deu um prejuízo de R$ 550,00). 

Pois bem, vendo-me daquele jeito, e percebendo o estrago no carro, perguntou se eu estava bem. Comentei, por alto, com ele e a atendente. Assim que terminei a história, ele me olha sorrindo e diz "doutora, dê graças a Deus. Foi um livramento!". A atendente segurou minha mão e disse "foi sim, tenha certeza que um mal menor ocorreu, porque Deus ama você".

Fiquei paralisada, sem reação. E segui para o consultório lufada com ares de fé e esperança. Quando ia saindo, ele me abordou e acabou por me dar uma linda lição de vida, contando uma parte da história da vida dele, e de como as coisas acontecem realmente para nos proteger de algo infinitamente mais pesaroso. 

Ontem, algum tempo após a última consulta, e como não havia problemas de vagas, estacionei e não o vi quando cheguei. Quando estava de saída, ele apareceu com o mesmo sorriso sincero. Como de costume, perguntei sobre os projetos humorísticos, e feliz da vida ele foi contando, enquanto me acompanhava ao carro. Ao preceber que estava consertado, olhou e disse "ficou excelente, doutora, excelente!". Abriu a porta, ainda me deu duas ou três lições sobre fé e perseverança, e fechou a porta com um "Deus lhe acompanhe, doutora, e boa semana!".

Pois é, e a gente insiste em reclamar da vida que leva, apesar das inúmeras facilidades...