segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Escritos transcritos I

"Prisão, por que razão?
Não é crime desejar, e amar!
Emoção e liberdade
Pensamento, planos, desejo
Algemas? Só se feitas de saudade!
Punição? Apenas um beijo."

"Acordara de um sonho quase pesadelo, um misto de sensações e emoções; estivera presa - sem recordar motivo ou local - e fora libertada à beira do altar. Sim, o preço da liberdade era uma aliança, um vestido de um branco puríssimo, quase celestial.

A confusão de se ver naquela situação: não fora era a planejar, tampouco executar e saborear cada decisão; estava tudo pronto e ela não tinha escolha a não ser entrar naquela roupa e ingressar numa nova vida.

O deleite do noivo à espera, o burburinho dos convidados, tudo era novo e havia sido tão sonhado e aguardado... por que daquele jeito? 

A nítida visão do par de alianças e do sorriso dos recém-casados. Ao alívio do pós-sim, seguiu-se o desespero do despertar e perceber: fora um sonho."