terça-feira, 12 de março de 2013

Divagando em contos - IX

"A rotina é massacrante para uma imensa parcela da população. Com ela, não haveria de ser diferente... pulava cedinho da cama, fazia malabarismos com a agenda reclamando compromissos, enquanto a jornada diária puxava a outra extremidade da corda.

Nem reclamava mais, para não se tornar chata e repetitiva. Dormia, acordava e sonhava com o dia em que poderia se dar ao desfrute de mais alguns minutos rolando entre os lençóis. E sabia, claro, que esse dia provavelmente nunca chegue. Mas, o que seria da vida sem as ilusões?

Entre um cliente e outro, pendências-jacaré [aquelas que pegam pelo pé e não largam até que sejam resolvidas], uma escapada rápida até o bebedouro e uma troca de palavras vazias com algum colega de trabalho, regada a cafezinho, seu olhar se perdia pela paisagem emoldurada pela janela. Lá fora, o mar ia-e-vinha despreocupado, lambendo pés e pernas dos que caminhavam por suas margens. 

A recepcionista insistia em interromper seus pequenos momentos de deleite com novas ligações, usualmente transferidas sem aviso prévio acerca do interlocutor; deixava o mar ali, onde sempre esteve e estará, e retornava ao seu posto, ao seu ramal, ao seu pequeno mundo burocrático e tedioso.

O almoço, ou melhor, aquele sanduíche tradicional e pretensiosamente nutritivo, e uma pausa sobre a mesa repleta de papéis, era o melhor que podia ter... aquele ritual de abrir a bolsinha, preparar a 'refeição', degustá-la demoradamente para que cada minuto parecesse eterno... 

Higienizava o quanto fosse possível, e torcia para não colocar em prática seus dotes desastrados, volvendo o ambiente ao status anterior, possibilitando a retomada do ofício. Aliás, se não fosse pelo aroma de atum, seria possível afirmar que ela vivia 'de luz', e não de alimentos. 

 O segundo round do expediente era particularmente tormentoso, e se dividia entre antes da chegada da garrafa de café, e depois de uma dose cavalar de cafeína. Por sinal, o café era sua rendição, já que a salinha demandava que se levantasse da cadeira e caminhasse por entre outros setores... sem falar na janela, de frente para o mar.

O restante da história não é muito mais animador... faculdade, trânsito, promessas de encontrar fulano e beltrano - hoje, amanhã, nunca - e o eterno status de 'aguardando o final de semana'."

Sim, meu caro leitor, 
ela poderia ser eu, 
poderia ser você. 
Acrescendo um ou outro detalhe, 
é quase que a história de nós todos.