terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Preciso estar errada!

Nunca pensei que diria isso, mas o fato é que torço para, pelo menos nesse ponto específico, estar completamente equivocada.

Enquanto de um lado eu "vejo" a terapeuta argumentando, do outro uma grande parte das pessoas (talvez a maior) refuta tudo, ignorando os sinais, as placas, os avisos, enfim...

Sinto como se estivesse sendo asfixiada lenta e dolorosamente, mantendo a consciência plena do que se passa ao redor, porém não há como reagir. Entre o desespero de saber o que vai acontecer, e tentar lutar para não ser "abatida", as forças vão se esvaindo.

Chega. Preciso admitir que há condições contra as quais nada posso fazer ou dizer. Ou são todos peixes, e justamente por isso ignoram o ambiente (a água), provocando movimentos e molhando quem está em terra firme; ou sou esquizofrênica.

Bom, não ando por aí rasgando dinheiro, mas ao contrário, dadas as circunstâncias, estou "correndo atrás" de fontes alternativas dentro da minha formação. A terapeuta, por sua vez, tem um posicionamento alinhado com o meu...

Oremos, Oremos. Só a oração, nesse caso, há de libertar e consolar.