terça-feira, 10 de dezembro de 2013

"Se nos meus braços ela não se aninha, a dor é minha"

Durante a apresentação do último show da turnê "Verdade, uma ilusão", realizado no Siará Hall em Fortaleza no último dia 07/12, e logo após ter cantado "ECT", Marisa Monte explicou ao público que essa música, eternizada na voz de Cássia Eller, na verdade é dela, de Nando Reis e Carlinhos Brown. Por sinal, ao explicar a relação que teve com a cantora, MM disse algo que me marcou profundamente, especialmente em razão da música que cantou em homenagem à falecida intérprete.

Marisa disse que saudade não é quando se sente a falta de alguém, mas sim quando se sente a presença; saudade é sentir a presença de quem está ausente... e cantou "De mais ninguém", composição sua e de Arnaldo Antunes.

Foi impossível não associar, imediatamente, a letra àquela que nos deixou, após um ciclo de doze meses de existência encarnada. E hoje, ao tomar conhecimento do passamento de outra menina - Ana Cecília - em razão da mesma doença, a "trilha sonora" ressoa aqui, em mim.


"Se ela me deixou, a dor
É minha só, não é de mais ninguém.
Aos outros eu devolvo a dó
Eu tenho a minha dor.
[...]
É meu troféu, é o que restou,
É o que me aquece sem me dar calor.
Se eu não tenho o meu amor,
Eu tenho a minha dor
A sala, o quarto, a casa está vazia,
A cozinha, o corredor.
Se nos meus braços ela não se aninha,
A dor é minha."

A nós, que ficamos, resta sentir a presença, orar e agradecer os [poucos, porém] bons momentos em que nos foi permitido compartilhar da existência de espíritos como Letícia e Ana Cecília, e tantos outros que vieram ao mundo por um instante, mas que nos marcaram para toda a eternidade.