sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Recuo, nova partida, e o sonho do mesmo CEP

"Dai-me Senhor, a perseverança das ondas do mar, que fazem de cada recuo um ponto de partida para um novo avanço." 
Gabriela Mistral

É nessa vibe que pretendo enquadrar o mês de setembro: o ponto de partida, para um novo avanço. Sim, porque já se foram 8 meses de doses - nada homeopáticas - de aborrecimentos, dissabores, falta disso e daquilo, enfim. Passou da hora de começar a construir o castelo com todas as pedras que fomos reunindo pelo caminho. 

Só que sair da teoria, para a prática, exige muito mais do que [boa] vontade, e é aí que a porca torce o rabo, ou que o caldo entorna, rs. Já disse, petit comité, que a sensação é de ter sido alvo de "coisa feita", das mais pesadas possíveis. Parece que está tudo aprisionado, algemado, enterrado, sei  lá... não fui, não fomos, mas que tem coisa errada, ah, isso tem.

Quem aí lembra a história do documentário "o segredo"? Provavelmente, muitos. Curioso como parece funcionar para uma ou outra seara, mas na essencial, vital, a estagnação permanece. Não há mentalizações, verbalizações, recortes, absolutamente qualquer ato capaz de mover um único milímetro, na direção do que desejamos. O lago segue manso, pacífico...

Ok, retomando o que originou o post... tenho dito a mim mesma que tudo foi alicerce para a construção dos nossos sonhos. E é chegado o tempo de sermos dois, e sermos um; somar, subtrair, multiplicar e dividir, ter o mesmo CEP, uma mini-horta, cronogramas de atividades domésticas, escolher a cor dos utensílios da cozinha, rir de nossos traumas, planejar aquisições...

Quando vai ser? Não sei. Por mim, seria hoje, no máximo amanhã. Tomara que Deus pense da mesma forma, e tenha calculado assim também.