sábado, 7 de junho de 2014

Trinta e três

"Ela tem muita dúvida como todos têm. 
Mas nem todos sabem a beleza de saber lidar com a tristeza. 
Ela sabe. 
Ela ouve a música que seu coração pede e modela seu ritmo ao seu estado de espírito. 
Ela dança a coreografia de seus sentimentos, e todos podem ver. 
(…) 
Ela é mais que um sorriso tímido de canto de boca, dos que você sabe que ela soube o que você quis dizer. 
Ela fala com o coração e sabe que o amor, não é qualquer um que consegue ter. 
Ela é a sensibilidade de alguém que não entende o que veio fazer nessa vida, mas vive."

(Caio Fernando Abreu)

Trinta e três anos, caindo, algumas vezes chorando ali, ainda ao chão; outras tantas, engolindo a dor, batendo a poeira, levantando como se nada tivesse acontecido. Nem todos sabem quantas cicatrizes carrega, pois poucas são as visíveis. Acalenta tristezas como quem nina uma criança, alimenta esperanças como quem rega uma planta no primeiro raio de sol, reza para ser ouvida e atendida por uma força desconhecida; sorri, porque acredita que a vida vai mudar logo ali, quando virar a esquina.

Parabéns, você. Eu. Feliz aniversário!